sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Um lugar onde não quero estar

Uma má notícia. Acabo de receber o resultado de um concurso onde passámos à shortlist final, mas não ganhámos. Dito pela empresa que nos convidou: "gostámos do vosso trabalho, passaram à shortlist final, e ficaram em segundo".

Sobre este concurso, que se conhece agora o desfecho, deixo os seguintes comentários:

1. Agradecemos termos sido convidados para o concurso;
2. Não estamos contentes com o nosso resultado;
3. Fomos bons segundo palavras de quem nos avaliou, mas não suficientemente bons para ganhar (e desculpem o pragmantismo, mas era a única coisa que nos interessava);
4. Para ganhar era preciso ser melhor do que o que fomos, daremos tudo para o ser;
5. Desejamos a quem nos avaliou e à agência escolhida o maior dos sucessos.

Em termos estratégicos seria dos clientes mais importantes para ganhar neste segundo semestre. Um tiro no porta-aviões, no nosso porta-aviões.

Estamos a crescer, em Portugal, este ano 43% (dados de 30 de Setembro), mas isso não nos tira o foco do que é importante a médio e a longo prazo, e muito menos nos pode tirar a humildade de saber que temos muito que correr e conquistar.

Um murro no estômago como este nunca vem em boa altura, mas quero que não se esqueça esta derrota. É um lugar onde não queremos estar.

Perdemos por uma simples razão: houve alguém melhor do que nós. Como estive pessoalmente muito envolvido neste projecto, acrescento: houve alguém melhor do que eu. É um lugar onde não quero estar.


PS: Por confidencialidade não divulgarei em momento algum os nomes de cliente nem de outras agências envolvidas.

2 comentários:

CJT disse...

sim... aproveitar uma boa oportunidade de aprendizagem.

Filipa disse...

...e para a próxima ganham!
;-)